Ler é algo maravilhoso, mas é difícil começar porque, diante de tantas opções, não sabemos qual escolher. Na maioria das vezes, nos deparamos com gostos diferentes do nosso e isso, de alguma forma, nos inibe de começar a ler.
Nas escolas nos indicam Iracema, Memórias Póstumas de Brás Cubas, O Mulato e alguns outros bons livro, mas que são chatos quando não pegamos o jeito de ler e abstrair o rebuscamento da época.
Por isso, decidimos criar este blog para indicar os livros que lemos, como os classificamos, fazer uma resenha, indicar sites para baixar livros, enfim, incentivar quem deseja iniciar uma boa leitura ou continuar nesse mundo de troca de informação tão brilhante.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

O Pequeno Príncipe


Ontem, passando o tempo no shopping Salvador, decidi buscar um livro que pudesse ler em pouco tempo, lá mesmo na livraria. Exposto na vitrine estava O Pequeno Príncipe; um livro singelo, de fácil leitura e boas imagens. Peguei-o pra reler e relembrar porque o consideram tão importante.

O Pequeno Príncipe é um menino que vive num pequeno planeta, desses que nós, adultos, damos número porque são pequenos demais para receber significância maior. Ele tem 03 vulcões que revira sempre e o ajuda a aquecer água ou cozinhar o alimento; pode ver o pôr-do-sol quantas vezes quiser, é só deslocar sua cadeira um pouco para trás; é amigo de uma rosa, bela e única.

Os personagem se conhecem quando o pequeno príncipe pede que o aviador desenhe um carneiro. Após várias tentativas, o aviador consegue fazer o desenho desejado pelo menino. A partir desse desenho, o menino conta sobre sua vida, seu planeta e todos os outros planetas que visitou. Cada planeta morava algum adulto de característica distinta e todos eles estavam presos ao seu princípio, a maioria deles voltado para si próprio: O rei sem súdito; o vaidoso sem plateia; o bêbado que não parava de beber por vergonha de ser um bêbado; o empresário que colecionava estrelas para si, mas não podia tocá-las; o acendedor de lampião que não conseguia raciocinar, apenas executar ordem; o geógrafo que escrevia sobre o mundo, mas não conhecia nada porque não saía da sua cadeira e, finalmente, a Terra.

O pequeno príncipe descobre o significado do amor na Terra, ao encontrar a raposa que o ensina o que é ser especial e único para alguém. Ele sente saudade da sua rosa e descobre porque a ama, apesar das suas imperfeições e volta para seu planeta de origem, deixando um laço de afeto e saudade em todos os lugares que passou.

Além do questionamento sobre o comportamento humano, o Pequeno Príncipe mostra o quanto o valor ao que é material nos deixa pequenos e pobres. Ele tinha em seu planeta 03 vulcões, uma linda rosa e vários pores-do-sol, mas se achou pobre ao ver que sua rosa não era a única no mundo e que seus vulcões eram pequenos em relação aos da Terra. Só ao descobrir a importância da unicidade do ser é que voltou a perceber-se rico.

Outra lição é deixada ao falar da sua rosa, dizendo que deveria tê-la julgado pelos gestos e não pelas palavras porque os gestos dela enchiam o planeta de perfume e a sua vida de alegria. As palavra o incomodavam e feriam, levando-o a ir embora do planeta.

Como vê, não é apenas um livro para crianças. Acho que uma criança pode lê-lo e relê-lo em cada fase da vida. Talvez se essa crítica fosse feita por uma criança nada disso estivesse aqui. Provavelmente ela nem associaria a algo filosófico, apenas amaria o Pequeno Príncipe e teria esperança de um dia ir ao deserto e, quem sabe conhecê-lo ou ver seu planeta lá no alto. Essa é a diferença entre um adulto e uma crianças: Os adultos vivem tão preocupados em criar regras e limites para tudo que esquece de contemplar o pôr-do-sol.

O Pequeno Príncipe, 1943, Antoine de Saint-Exupéry, jornalista e piloto francês.
Maiores detalhes e livro virtual com ilustração no site http://www.mayrink.g12.br/pp/principe.htm

7 comentários:

Cristiane Fetter disse...

Sabe que nunca lí esse livro?
Mesmo sendo indicado para crianças vou comprá-lo.
Beijocas
www.todoyda.blogspot.com

Lola disse...

Cris, se vc morasse aqui eu te daria de presente:)
Tenho essa coisa com este livro, acho que pela essência dele, não deveria ser comprado nunca, mas sempre dado por um amigo!
Quanto a ser indicado para crianças, acredito que seja para a criança que existe dentro de nós...
Parabéns pelo blog, geo..
Quando quiser fazer uma visita:http://umaconscienciacoletiva.blogspot.com
Beijos.

Carla Beatriz disse...

Oi Geo,

Olha que coincidência, eu fiz um post sobre o Pequeno Príncipe no meu blog e falava justamente da leitura e releitura desse livro. :-)

Vou ver se compro um exemplar para eu reler e ler para meus filhos.

Beijos

Geo disse...

É uma ótima compra e um presente muito legal para os filhotes. Vou lá visitar seu blog.

Alexandre disse...

Muito show, tenho 15 anos mas gostei nao li o livro mas ja avia visto o filme procurei essa resenha para um trabalho so que quando fui lendo acabei lembrando e fiz minha propia!!! Vlw

Anônimo disse...

Geo,vc pode me falar 5 motivos para ler esse livro? por favor,é p um trabalho d escola!

Geovana disse...

Posso, mas vai ser a resposta de alguém de 37 anos e sua professora perceberá que não é sua:

1. É um livro bem escrito, divertido e com uma estória que prende a nossa atenção.

2. Nos mostra os diferentes pontos de vista e que precisamos respeitar o ponto de vista do outro.

3. Nos mostra que quando ficamos presos ao nosso mundo deixamos de descobrir muitas coisas novas e intressantes.

4. Nos faz entender que uma amizade vale mais que mil tesouros.

5. O mais famoso de todos os motivos: Nos faz entender que se cativarmos alguém seremos eternamente responsáveis pelo sentimento que causamos, ou seja, não se pode sair por aí cativando e abandonando as pessoas, temos que ter consciência da importância e do cuidado em relação aos sentimentos alheios.